quinta-feira, 23 janeiro 2020
Fale Conosco | (24)3343-5229

Política

Furtado reafirma: só decide sobre candidatura no final do prazo

13/12/2019 12:26:23

O deputado federal Delegado Antônio Furtado (PSL) reafirmou nesta sexta-feira, numa coletiva de imprensa, que só vai se manifestar se será candidato ou não a prefeito de Volta Redonda dentro do prazo estabelecido pela lei, que é até abril do ano que vem. Aos jornalistas, o parlamentar que conquistou o primeiro mandato na Câmara dos Deputados no ano passado repetiu o que havia antecipado, recentemente, à coluna Poucas & Boas, do FOCO REGIONAL.

- O assunto é recorrente, até em Brasília as pessoas me perguntam [se vai concorrer a prefeito]. Sou muito apegado à lei, ela é que deve ser o fio condutor. O momento [para se pronunciar] é entre o final de março e começo de abril – disse ele, que garantiu não ser “nem pré-candidato no momento”. 

Furtado afirmou também que não está preocupado em deixar sua posição para a última hora. Ele mesmo lembrou que muitos o questionam que, até lá, os nichos políticos poderão estar formados e que ele poderá ficar sozinho caso decida disputar a eleição.

- Se decidir [ser candidato] não vou caminhar sozinho, mas com o povo que me elegeu. Quem me apoiou na eleição para deputado federal? Não estou menosprezando ninguém ou dizendo que não quero apoio, mas não estarei sozinho. Minha forma de fazer política é com o apoio do povo – acrescentou, ressalvando que a única parceria que fez para concorrer a deputado foi com o empresário Bruno Marini, de Barra Mansa, que concorreu a deputado estadual.

Furtado, no entanto, não escondeu que está fazendo pesquisas para medir a chance de uma eleição: “Política não é mágica, tem um conteúdo de ciência. Preciso entender como o meu eleitor se posiciona a respeito disso”.

Ainda sobre uma eventual candidatura, Furtado também comentou o racha no PSL, afirmando que a saída do presidente Jair Bolsonaro do partido altera a configuração de uma candidatura a prefeito pela sigla. Mas emendou que o apoio do presidente teria prós e contras, como em qualquer situação.

- É claro que ser candidato a prefeito pelo partido do presidente agrega muito. Ainda que ele não viesse a Volta Redonda, mandaria um vídeo [de apoio]. Seria um peso positivo para qualquer candidato. Mas, quando me lancei candidato a deputado federal, muitas pessoas também me viraram as costas por ser o partido do Bolsonaro – afirmou, rechaçando qualquer avaliação de que foi eleito na onda bolsonarista de 2018.

- Ajudou, mas eu já tenho uma história no Sul Fluminense que começou a ser construída em 2011 – disse, se referindo ano que chegou a Volta Redonda para assumir a chefia da delegacia de polícia da cidade.

Na entrevista, ele revelou que deverá assumir a vice-presidência da executiva estadual do PSL no Rio de Janeiro: "Poderei trabalhar bastante pelo fortalecimento do partido no estado".

SEM SALVADOR – Ao comentar como espera que os eleitores se comportem na eleição de 2020, o parlamentar demonstrou certeza de que o público não vai se seduzir pelo discurso do novo: “Vai buscar alguém que já tem história e já apresentou trabalho. O eleitor não vai acreditar em que se apresentar como salvador da pátria”. Ele crê também que será preciso o candidato apresentar o grupo que estará com ele: “Ninguém governo sozinho”.

Deixando claro que não quer contradizer os discursos, Antônio Furtado também não fez críticas ao prefeito Samuca Silva. Pelo contrário, disse que não só ele, mas “todos os prefeitos estão com dificuldades devido à falta de recursos”. Ainda sobre o atual mandatário do Palácio 17 de Julho, ressaltou o fato de estar discutindo com ele questões, sobretudo, voltadas para a área de segurança.

Furtado disse ainda que, caso não seja candidato a prefeito, evidentemente vai apoiar algum, esclarecendo que será preciso que seja alguém que ele acredite que seja capaz de fazer um bom governo.

- Alguém que queira melhorar a saúde, a geração de empregos e o transporte, uma questão sensível em Volta Redonda, e também a Guarda Municipal, que tem de ser incentivada, porque é um órgão de segurança pública – condicionou.

BALANÇO – Na entrevista, Furtado fez um balanço de seu primeiro ano de mandato. “É mais difícil ser deputado do que delegado”, comparou, dizendo que foi um ano de “muito aprendizado” em Brasília. E, como de hábito, soltou uma frase de efeito:

- Em Brasília, já aprendi algo fundamental: deputado sozinho é comida de onça – disse, ao se referir à necessidade de atuar em grupo para obter resultados.

Ainda salientou que, como está no primeiro ano no exercício do cargo, só poderá ter liberadas suas emendas a partir do ano que vem, mas citou ter conseguido emplacar R$ 17 milhões em emendas individuais, a maior parte para o Sul Fluminense.

Comentários via Facebook

(O Foco Regional não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

20:15 Cidades