quarta-feira, 23 outubro 2019
Fale Conosco | (24)3343-5229

Nacional

Cadeia produtiva quer redução do preço do GNV

Falta de diálogo da Petrobras pode acarretar na perda de 160 mil empregos

26/03/2019 17:07:33

Empresários de vários estados que compõem o Comitê Nacional da Cadeia Produtiva do GNV (Gás Natural Veicular) estão desde fevereiro tentando, sem sucesso, um encontro com o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Eles querem negociar uma redução no preço do produto, com o objetivo de evitar que o setor seja prejudicado a ponto de colocar em risco mais de 160 mil empregos em todo país até o fim deste primeiro semestre.

Na última reunião dos representantes do setor, ocorrida no dia 15 de fevereiro, no auditório da Firjan (Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro), que contou com a presença de mais de 60 empresários de sete estados, eles chegaram à conclusão de que o aumento médio de 40% do combustível – autorizado pela estatal no início de fevereiro deste ano – está literalmente estagnando os investimentos de alguns segmentos importantes da cadeia produtiva do setor, a ponto de centenas de empresas já estarem fechando as portas em vários estados.

Além dos empresários e das entidades representativas deste segmento, o encontro ocorrido no mês passado contou com a presença da ANP, Inmetro e Secretaria Estadual de Desenvolvimento Econômico.

De acordo com o presidente do Sindicato da Indústria de Reparação de Veículos e Acessórios do Rio de janeiro (SindirepaRio), Celso Mattos, que está à frente do comitê, se a situação não for revertida pela Petrobras, poderá ocorrer uma demissão em massa de milhares de trabalhadores em todo país, além do fechamento de centenas de empresas. “Esse aumento injustificado do preço do GNV afetou a todos os segmentos da cadeia produtiva. Queremos saber, de forma transparente, quais motivos levaram a Petrobras a decidir por esse reajuste, que vem prejudicando não só a todos os empresários envolvidos, mas ao consumidor, que está pagando preços absurdos. Para se ter uma ideia de como o setor está travado por conta desse reajuste, basta observar que a instalação do kit gás, por exemplo, está praticamente zerada em estados como Minas Gerais e São Paulo. No Rio de janeiro, estado que detém 75% do mercado nacional de conversões para o GNV, esse tipo de prestação de serviço caiu, em média, pela metade, e as demissões já começaram”, destaca.

Segundo Mattos, o Comitê Nacional do GNV tentou marcar uma reunião com o presidente da Petrobras para tratar do assunto com urgência. No entanto, a resposta dada foi que a agenda dele está tomada até maio, o que causou grande preocupação entre os empresários e representantes deste segmento de mercado, incluindo fabricantes, instaladores, conversores e donos de postos de abastecimento, entre outros agentes.

“É imprescindível que o presidente da Petrobras receba os representantes do setor para dialogar, com o risco de causar prejuízo a milhares de pessoas. Não sabemos se o setor pode esperar até maio, pois muitas empresas já estão fechando as portas e muitos profissionais estão sendo demitidos”, ressalta.

O presidente do SindirepaRio acrescenta que, caso a Petrobras não queira dialogar com os representantes da cadeia produtiva do GNV dentro de um prazo razoável, ele será obrigado a entrar com uma ação na Justiça contra o aumento do preço do combustível, com base do Código de Defesa do Consumidor, em razão “dos valores abusivos” que, por regulamentação, “são aplicados no mercado arbitrariamente e sem a devida justificativa”. (Foto: Divulgação)

Comentários via Facebook

(O Foco Regional não se responsabiliza pelos comentários postados via Facebook)

+ Lidas

Em foco

Notícias primeiro na sua mão

Primeiro cadastre seu celular ou email para receber as ultimas notícias.

Curta nossa fan page, receba todas as atualizações - Foco Regional

Tempo Real

18:47 Nacional